Quem sou eu

Minha foto
Escrever é materializar a imaginação.

Postagem em destaque

Caminhando...

A busca pela imortalidade é solitária e triste. Atryu

Stagran

Instagram

Seguidores

TRADUTOR

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Óh tempos!















Óh tempos, como poderia ter um sorriso sincero tendo o peito adormecido e a alma seca?
Como deixar de rastejar a procura de vida?
Como voltar a saltitar de alegria como criança quando ganha um brinquedo bonito?
Óh sonhos, onde vocês se esconderam?
Como posso abraçar suas lindas dádivas novamente?
Permitir o pincel colorir meus dias apagados, tornando-os brilhantes como o jaspe reluzente!

Vida, venha, te convido a entrar e fazer parte do meu ser,
venha correndo, quero te abraçar com ternura,
Te amar com grande doçura.

Óh tempos, faze-me enxergar novamente a beleza e a feiura que me rodeia,
É tudo que te imploro, mas não me deixe assim sem sentir,
Dor, óh grande dor, volte a me visitar,
Volte a fazer-me chorar,
Quero ter esperança de um dia, outra vez nas alturas caminhar.


Sofhia.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Vem primavera




















Os dias se concluem, e com eles às esperanças da menina sonhadora... 

O frio finalmente assume seu lugar, arromba as portas e senta-se no trono de maneira arrogante, como se tudo fosse somente dele. 
São poucos que adoram a estação do frio, do gelo, a maioria que experimenta e sofre com ele, não deseja sua chegada. No entanto temos que aceitar a natureza que Deus criou, não é assim que falamos quando não temos respostas para certar conjunturas?

O inverno está sendo tão rigoroso! Lágrimas quentes rolam pelo meu rosto e meu coração chora baixinho... Todas as manhãs o frio me desperta, penso que no próximo dia será diferente , porém quando abro os olhos , sinto sua presença junto de mim novamente.

Abro a gaveta ao lado de minha cabeceira e toco em um vidro frio de um acabado perfume, o carrego até perto de meu rosto e sinto o perfume que inebria meus sentidos, fico ali a apreciar o nada e aos poucos as imagens vão se materializando em minhas recordações...
Lembranças de momentos de intenso amor, carinho, conversas intermináveis... Eu esperando à hora chegar para escutar a doce melodia de uma voz que cantava ao pé de meu ouvido proferindo palavras doces que me faziam acreditar no amor e que esse amor seria meu para sempre...

 Um “sempre” que acabou!

 Nunca compreendi esse, “Para Sempre”, pois eu pensava que fosse sinônimo de eterno, inacabável, infindável, perene, permanente. Uma vez que me convencia disso a cada palavra dita, porém eu, somente eu, não sabia que naquele “sempre” havia um fim, um fenecimento que não finaliza jamais para a menina que escutou, acreditou e amou. Um fim que dura e que hoje ainda maltrata e faz agonizar uma alma romântica, a qual se esconde atrás de uma mulher padecida, que usa uma mascara, que luta e segue em frente, porém permanece estagnada no meio do caminho.
   
Hoje o dia está tão frio! Queria poder correr ao meu amor e me abrigar em seus abraços, aqueles que um dia me foram prometidos, os quais pensei que me pertenciam, porque foram pronunciadas por um anjo fiel.

O inverno deixa tudo tão feio! Os dias se tornaram cinzentos e sem a vivacidade do sol, anseio tanto que a primavera chegue!  Quero me aconchegar e dormir aquecida em suas tonalidades coloridas. Deslembrar a estação que corta a pele, que congela os dedos e fere os mal agasalhados.
Minha alma grita e exige pelo dia que nunca chega, pela felicidade que se desvia, pelo carinho que consola, pelo calor que alivia.

Vai embora geada maldita que destrói plantações! Vai embora vento forte que aniquila os telhados dos pobres desabrigados.
Consinta as flores abrolharem! Admita os passarinhos cantarem!
Permita meu coração cicatrizar, deixe minha alma aliciar e com facilidade esquecer as sombras que insistem e me fazem padecer.

Atryu.

sábado, 26 de maio de 2012

Aquela Madrugada

















Os meus olhos te despiam vagarosamente, sem pressa eles percorriam e desenhavam teu corpo.
Você ali ao meu lado de olhos fechados, parecia um anjo dormindo, estava tão lindo! 
Então eu sem você perceber, apreciara suas curvas perfeitas e ouvia e via seu coração se movimentando dentro de ti, algo eterno que marcou minha memória...
Eram quatro horas da madrugada quando por curiosidade olhei para o relógio. 
Você dormia de frente para mim, foi a imagem mais rara e perfeita que vi.

Olhos fechados, cabelo desarrumado, pele quente e rosada!

Fiquei muito tempo contemplando o seu descanso, mas aos poucos fui adormecendo e acordando em seus braços.

Sentia tua boca colando na minha, teu corpo aquecendo o meu, tua mão me puxando para cima de você...
Tua boca me mordia parecendo estar com fome, me devorava como uma fera desesperada por comida... Eu me entreguei e aos poucos aos delírios cheguei. Já não era mais sonho, sentia a força de seus braços me apertando e você quase gritando.
Com minha boca fui beijando sua pele e percorri seu corpo que naquele momento eu tinha certeza, era meu, somente meu.
Minhas mãos deslizavam e não se cansavam de passear sobre você,  eu sentia o fogo o qual me queimava viva e fazia meu sangue ferver. Deixei meus lábios provarem e saborearem gostos açucarados e exóticos, os quais hipnotizavam meus sentidos e davam novas experiência ao meu paladar. Degustava cada pedacinho seu, engolia o doce e o salgado que seu corpo expelia, ao som de seus sussurros e gemidos indescritíveis.

O tempo decorria e nós nos amávamos sem pressa...

Em um momento, quando as gotículas de suor caiam de seu rosto e tocavam o meu, eu abri os olhos e te observei...

Você continuava sobre mim, sua pele perfumada e molhada colava na minha,  seu cabelo encharcado de nosso amor, exalava o fragrância, o odor que sai dos apaixonados quando estão viajando por lugares fora da dimensão natural, percorrendo outros mundos, os quais só conhecem os alucinados e abrasados pelo amor.
Naquele momento nós dançávamos na melodia criada pela paixão de dois indivíduos, duas almas arrebatadas!

Foi a música mais fascinante que escutei e junto de ti dancei...Nunca esquecerei , eternamente lembrarei...

Sofhia.

domingo, 13 de maio de 2012

Essa música















Escutando essa música sinto o teu cheiro e teu gosto, mas também sinto a ponta dessa adaga que continua cravada no meu coração e fica cavocando minha carne fazendo o sangue gotejar devagarzinho atormentando minha alma triste.
Quando acredito que tudo está desaparecendo de minha memória,  corro depressa para dentro de uma caverna fria e escura, acredito que meu coração está congelando, então deito minha cabeça em uma pedra e fecho meus olhos com esperança, porém nesse instante o veneno maldito acende a chama perturbadora dentro de minhas lembranças, e a angústia me faz gritar...
A dor é tão grande que mesmo a maior dose de morfina não seria capaz de me aliviar. 
Estou aqui novamente pensando em alguém que nem sabe que eu existo! 
Clamando por socorro continuo, mas ninguém escuta, ninguém vem ao meu encontro. Minha vontade de ter você comigo é o que alimenta essa doentia esperança, e isso não me deixa viver em paz. 
Sinto um nó na garganta, mas continuo escutando essa música... Ela me destrói por dentro, mas essa é a única maneira que eu ainda posso ter você perto de mim!
As lágrimas alimentam minha fome e sede de sentir o teu gosto. Fecho meus olhos e mergulho em você, sou feliz na angústia, sou feliz na dor que é  única companheira na solidão de minha realidade! Exclamo e choro por você, sei que você não virá, mas pelo menos nessa música eu posso te abraçar, e se é na tristeza que eu te encontro, então minha angústia será minha alegria.

Atryu.


segunda-feira, 23 de abril de 2012

O seu amor















Um dia , mais dois e mais todos os dias de um longo período de dor, sentimentos que ferem a alma dos doentes feridos de amor.
Longe muito distante quando os pensamentos se transformam em dias coloridos, em jardins floridos, lá eu vejo você.
Cabelos lindos caídos sobre os ombros, rosto rosado gelado do frio, sorriso maroto e olhar vazio.
Perto me achego e vou tocando sua pele branquinha como neve, quente como fogo que acende a chama que me chama para junto de ti.
A paixão esquenta e minha alma alimenta a sede que desperta em meu exterior.
Você me envolve e me aperta em seus braços ,vai colando tua boca na minha!

Aos poucos nos enrolamos e nos atamos. Corpos nus se tocam sem pudor, envolvidos apenas nos lençóis do amor.
O gosto gostoso de seus beijos me levam a pisar nas nuvens mais fofas e macias, cada toque meu corpo  arrepia, e flutua em dimensões jamais almejadas, sonhadas!

Nosso encontro só termina quando as estações mudam...

Jardins floridos e dias coloridos, dão lugar a tempos enegrecidos.

O inverno me desperta com o dia vazio e rua deserta.
E  longe, muito distante, eu enxergo você partindo, então começo a contar um dia, mais dois e mais todos os dias sem amor, o seu amor meu amor.

Atryu.

terça-feira, 27 de março de 2012

O ponto ideal.
















Existe dias em que paramos para ouvir uma música e deixamos nossos pensamentos visitarem  lugares que não gostaríamos.
O tempo passa, porém tem coisas que jamais esqueceremos.
Quase tudo na vida não é como havíamos sonhado um dia.
Quando eu era criança tinha sonhos e vontades, pensava que um dia iria realizá-los. A infância foi tão triste...
Mesmo assim os sonhos continuaram, eles sempre estiveram ali, em algum lugar dentro do meu coração, o tempo passou e o mundo das coisas belas nunca chegaram a serem tocadas por mãos reais.
As teias da maldade iam aos poucos me cercando, eu , apesar de não querer parecer inocente, me deixava iludir por contos de fadas.
A vida anda e nós crescemos, ficamos adultos, e nessa trajetória pensamos que por sermos adultos, somos intocáveis,  que ninguém mais é capaz de nos maltratar, pois adulto sabe se defender, engano nosso! Crescemos, porém dentro de nós continuamos achando que os sonhos são realizáveis, maior erro que cometemos.
Hoje, depois de estar acostumada com os sofrimentos que a vida  proporciona, entendo que apesar de sermos adultos, muitas vezes continuamos com um coração de criança, pois olhamos para o futuro e acreditamos que ainda temos a chance de sermos realizados, de termos encontrado o grande amor de nossa vida, mas a teia da infelicidade não tece sem objetivo.
Sei que sonhos são para serem sonhados , não vividos. Sei que o mais importante é se contentar com o que a vida nos proporciona, amar nossos filhos, cuidar dos nossos pais e irmão, amar até quem não nos ame de verdade, pois contos de fadas só existem nos livros, os quais, não deveriam serem lidos para as crianças, deveriam ser proibidos, porque eles ensinam o irreal, ensinam mentiras, as quais só existem no mundo das letras.
Hoje sei que o mais importante é a verdade, é ter os dois pés no chão, pois músicas, poesias, contos e sonhos, são mentiras inventadas por fracos e infelizes. Eu mesma, muitos poemas escrevi, eles sempre falavam de um amor inalcançado, um amor que só existia dentro de mim, eram apenas sonhos que nunca foram realizados e agora mais que nunca sei que foram apenas ilusão de um coração infantil.
O tempo faz a gente pensar e enxergar a vida como realmente ela é. Cheia de espinhos, dificuldades e tristezas. A morte nos tira as pessoas que mais amamos, a vida nos engana e nos tira outras...
Então para que essa demagogia barata que se espalha com tanta eficácia? O amor é uma farsa, e quem discorda, que olhe para seu próprio umbigo e veja se está realizado! A vida é apenas um círculo onde alguns tentam encontrar a felicidade no dinheiro, outros no poder, outros no sexo, e assim sucessivamente.
Felicidade é utopia, porém não é isso que nos ensinam na escola, nos livros, nos filmes, na podridão das novelas...
Acho que apenas o tempo é capaz de nos ensinar a não acreditar em mentiras. As crianças deveriam ser alertadas a saber que sonhos não existem, deveriam saber com antecedência que a vida é dura e que contos de fada são inventados por pessoas infelizes, e que a felicidade não existe é apenas uma ilusão.

Volto a escutar a mesma música, meu coração bobo ainda sente vontade de sonhar, só que agora eu o sufoco e não o deixo, pois sei que a melodia pode ser bonita, mas a realidade é feia.
A música continua a me tocar, mas tento tornar meu coração em pedra, acredito que em breve não sentirei mais nada, acredito que esse ponto é o ideal.

Atryu.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Queria poder sorrir, queria poder viver de verdade...
















Me calo diante dos acontecimentos que vejo diante de mim.
Do que presencio sem querer.
Meu silêncio já é freguês.
Meu olhar, meu olhar é desinteressado.
Tantas pessoas, tantas histórias, tantos sonhos e tantas mágoas nessa mesma estrada onde me dou conta de também estar.
Seria viver um ato de pura vontade ou pura sorte?
O espelho nunca mostra o que realmente quero ver.
Mas o que de fato eu desejo ver?
O que sentir?
O que amar?
Ou o que sonhar?
Em quem ou no que acreditar?
A realidade é um veneno?
Tento abrir meus olhos para o que pode ser a verdade, mas não consigo ver.
Não consigo.
O torpor mental em que me encontro já não faz diferença.
A depressão já se tornou obsoleta diante de mim e de minha alma.
Alma.
Um ser.
Uma consciência.
A reclusão nunca foi tão convidativa e o amor nunca foi tão confuso.
Preso em minha própria teia de ações onde cada fio corta-me, lembrando- me do que fiz a mim mesmo numa época onde não havia preocupações, então vivo uma vida questionável.
Nunca soube o que valorizar, nunca soube onde estar.
Essa minha máscara pesa
Deus, como pesa.
Queria poder sorrir, queria poder viver de verdade...

Albert Sollrak.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012























Tudo foi apenas como uma nuvem de fumaça que o tempo dissipa, e foi tão depressa!
Promessas e palavras que pareciam sinceras e eternas duraram tão pouco!


Atryu.